Veja mais
Home / Paróquia / Nossa História / Origem da Paróquia

Origem da Paróquia

(texto extraído do Livro Tombo I)

1- Doação das terras

“Gaudêncio Jacintho Loques de Oliveira serventuário vitalício do primeiro Ofício de Tabelião de Notas Escrivão do cível e mais anexos nesta comarca da Franca.

Certifico que revendo o meo cartório nele encontrei, entre outros, o livro de notas sob número vinte e quatro, e as folhas trinta e quatro verso usque folhas trinta e cinco verso, i seguinte: ESCRIPTURA DE DOAÇÃO que fazem Joaquim Carlos Monteiro e sua mulher Dona Francisca Umbelina Vieira os quaes doam uma sorte de terras campos sita na fazenda do Turvo, além do Sapucahy, cuja doação é feita para o Património da Capella que vão erigir de Nossa Senhora do Patrocínio, a qual sorte de terras doam no valor de um conto quinhentos mil reis. Saibam quantos este publico instrumento de escriptura de doação, ou como em direito melhor nome e lugar haja virem, que sendo no anno do nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil oitocentos e sessenta e nove, quadragésimo oitavo da Independência do Império do Brazil, aos quatorze dias do mez de Julho do dito anno, nesta cidade da Franca do Imperador, comarca do mesmo nome da província de São Paulo, em meu cartório compareceram presentes Joaquim Carlos Monteiro e sua mulher Dona Francisca Umbelina Vieira, moradores neste termo, reconhecidos pelos próprios de mim Tabelião e das testemunhas abaixo assignadas, do que dou fé. E por elles outorgantes foi dito, em presença das testemunhas abaixo assignadas, que eram senhores e possuidores com livre e geral administração de uma sorte de terras dividida, na fazenda do “Turvo” – deste termo além do Sapucahy, que houveram por compra do Major Antonio Joaquim do Nascimento e sua mulher e desta parte doão uma parte divisada para o Património de uma Capella que vai erigir-se de Nossa Senhora do Patrocínio; cujas divisas teem principio no fio Sapucahy em um valho que serve de divisa co m Álvaro de Carvalho Pinheiro de Lacerda e pelo rio acima até uma primeira grotinha que está adiante donde está morando Delfino Jose de Paula, e por esta grotinha acima em rumo direito à um pao de “paineira do campo” e deste em rumo ao valho da capoeira, e voltando a direita pelo dito valho abaixo o correguinho e pelo correguinho acima até encontrar uma barra, e seguindo pelo dito, digo: e seguindo pelo da direita acima, divisando com João Villela dos Reis, até topar um valho, seguindo pelo valho fora a direita até a cabeceira da Tabatinga, até aqui divisando com o mesmo Villela, e pelo correguinho abaixo divisando com Joaquim Jose Tavares até topar a divisa de um vallinho do Alvaro, da parte direita, e seguindo por este, sempre divisando com o dito Álvaro, até o rio Sapucahy onde teve principio e tem fim esta divisa. A qual sorte de terras, assim divisada, disseram que muito suas livres vontades e sem constrangimento de pessoa alguma doaram como de facto doado teem para o dito património de Nossa Senhora do Patrocínio que se erigir dentro dita sorte de terras a qual doam em valor de um conto e quinhentos mil reis e que nem elles nem seus herdeiros testamenteiros poderão em tempo algum reclamar esta doação em juiso e nem fora delle, antes se obrigam por suas pessoas e bens a fazerem esta doação boa, e de paz e que se nesta escriptura faltasse alguma clausula ou clausulas das em direito necessárias, aqui as haviam por expressas e declaradas como se de cada uma fizessem especifica menção. E pelo outorgante doador, Joaquim Carlos Monteiro me foi apresentado o conhecimento do pagamento do sello do theor seguinte: Numero oito Reis dois milreis. Pagou dois mil reis – Franca, quatorze de Julho de mil oitocentos e sessenta e nove. Lellis Lopes de Oliveira. E depois de escripta esta em Tabellião ali perante elles que reciprocamente a outorgaram, estipularam, aceitaram e assignaram com as testemunhas presentes Manoel Jose Ferreira e João Ferreira Mendes, todos de mim reconhecidos do que tudo dou fé. Eu, Jose Ferreira Mendes, Tabellião que o escrevi (assignado) Joaquim Carlos Monteiro – Francisca Umbelina Vieira Monteiro – Manoel Jose Ferreira – João Ferreira Mendes. Era o que se continha em dita escriptura que do livro e folhas ao começo referido para aqui fielmente foi trasladado e ao original me reporto. Franca, 16 de Janeiro de 1895. Eu Gaudêncio Jacintho Lopes de Oliveira Tabellião que subscrevi e assignei.”

2- Extrato Para transcripção d’immoveís

a) Freguezia do immovel : Nossa Senhora do Patrocínio do Sapucahy

b) Denominação ou n rua e numero do immovel: Fazenda da Turvo

c) Características e confrontações do immovel
Uma parte de terras cujas divisas principiam à margem esquerda do rio Sapucahy em um Valho de divisa com Álvaro de Carvalho Pinheiro de Lacerda; sobem pelo rio até à primeira grotinha que está adiante da morada de Delphino Jose de Paula e pela grota acima em rum a um pau de Paineira do campo; deste em rumo ao valho da capoeira; deste à direita descendo ao corguinho e por este acima até encontrar uma barra e subindo pelo corguinho da direita divisando com João Villela dos Reis até  um valho; seguindo por este à direita até à cabeceira da Tabatinga divisando sempre com o mesmo e pelo corguinho abaixo divisando com Joaquim Jose Tavares até encontrar a divisa de um valinho de Álvaro de Lacerda com quem confina até ao rio do Sapucahy onde principiaram.

d) Nome, domicilio e profissão do adquirente
O Patrimônio da Egreja representado pelo procurador da mesma Álvaro Carvalho Pinheiro de Lacerda capitalista residente nesta Villa.

e) Nome, domicilio e profissão dos transmittentes Joaquim Carlos Monteiro e sua mulher Francisca Umbelina Vieira lavradores residentes nesta comarca.

f) Titulo da Transmissão: Doação

g) Forma do titulo e tabellião que o fez: Escriptura Publica pelo Tabellião Jose Ferreira Mendes.

h) Valor de contracto: 1:500$000rs (um conto e quinhentos mil reis)

i) Condições do contracto

Para expressamente neste terreno se erigir a capella de Nossa Senhora do Patrocínio do Sapucahy e servir de Patrimônio à mesma.

Patrocínio do Sapucahy 26 de Janeiro de 1895.